Automóveis: o que se passa com o setor? - TD Crédito

Outubro 31, 2021
O panorama está a alterar-se: mais veículos elétricos e menos produção de automóveis.

Sabia que o automóvel mais vendido em setembro, na Europa, foi um elétrico?

O Tesla Model 3, com o preço a partir de 50.900€, tornou-se o primeiro elétrico líder de vendas de automóveis na Europa. A marca vendeu, no total, cerca de 24.600 exemplares.

Os restantes veículos mais vendidos foram o Renault Clio (com 18.300 veículos vendidos), o Dacia Sandero e o Volkswagen Golf, com mais de 17.500 exemplares vendidos.

 

Mais procura por automóveis híbridos e elétricos

Veículo elétrico a carregar

Mundialmente, a procura e interesse por veículos elétricos e híbridos tem aumentado visivelmente e o mercado europeu não é exceção.

Na Europa, no último trimestre, os veículos a gasolina tiveram menos vendas do que os híbridos, híbridos recarregáveis e elétricos, que representaram 20,7% do mercado europeu, segundo o relatório da ACEA.

A pensar nesta alteração de paradigma, a Hertz, uma empresa de aluguer de carros, encomendou 100 mil carros à Tesla. O objetivo é aumentar o número de automóveis elétricos, disponíveis a partir de novembro, nos Estados Unidos e em algumas cidades europeias.

Em Portugal, segundo a JATO Dynamics Portugal, até setembro foram registados 7829 veículos elétricos, ultrapassando já o número de veículos registados nos anos anteriores.

 

Produção reduzida e aumento do preço

Carros

Os componentes eletrónicos, por outro lado, têm sido um problema pela sua escassez, o que provocou uma redução da produção de automóveis.

Com a produção reduzida, os tempos de espera por um veículo novo têm aumentado, sendo que a estimativa mínima de espera ronda os 3 meses (e em muitos casos, ultrapassa largamente este prazo).

Este atraso e redução da produção impacta o preço para o consumidor final, uma vez que existem mais custos de produção, o preço final aumenta também.

Houve também um aumento de procura de carros usados (e preço). A oferta de carros novos limitada e o seu preço, acabou por impulsionar a compra de carros usados.

A Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel aponta os desafios para as empresas e consumidores: além do COVID-19 e da crise inerente, junta-se o custo das matérias-primas, cada vez mais alto (incluindo o dos componentes eletrónicos).

 

E soluções?

O problema reside na dependência da produção dos componentes elétricos na Ásia. A solução poderá também passar pela produção nacional dos componentes em falta.

A produção dos chips já foi iniciada por empresas como a Intel e outras que aumentaram a sua capacidade.

Os resultados do aumento da produção não serão imediatos, porém, segundo a Fitch, o equilíbrio da oferta e da procura só deverá ser atingido a meio do próximo ano.

 

Se está a pensar trocar de carro e precisa de recorrer a um crédito automóvel, fale connosco.

Outras Notícias

 

Março 27, 2018

Quem vai ter IRS Automático em 2018?

Ler notícia

Outubro 27, 2019

Novos sinais de trânsito chegam em 2020

Ler notícia

Agosto 29, 2018

Cinco conselhos para evitar distrações ao volante

Ler notícia